Grupo Carmin: última semana para contribuir com financiamento coletivo do novo espetáculo Por Que Paris? no Catarse

O Grupo Carmin (criador das peças teatrais Jacy e Pobres de Marré) chega à última semana do seu projeto de financiamento coletivo, por meio do site Catarse, para o seu novo espetáculo, intitulado "Por Que Paris?".

A montagem foi contemplada no Projeto Circuito SESC das Artes Cênicas Potiguar 2014 e tem co-patrocínio do cemitério e crematório Morada da Paz, mas o Carmin ainda precisa de um complemento de R$ 15 mil para viabilizar a conclusão de cenário, figurino e para custear a contratação de profissionais que darão apoio no espetáculo.

Nessa reta final, o grupo precisa de pouco mais de R$ 2.500 para efetivar a meta estipulada. A peça estreia no dia 23 de julho, às 20h, na Casa da Ribeira. 

Para contribuir com o espetáculo, basta acessar a página catarse.me/pt/pqparis. O site oferece várias categorias de financiamento e um esquema de recompensas, que vão de ingressos para a estreia do espetáculo até uma obra de tiragem serial do artista plástico Flávio Freitas. Com apenas R$ 15 já é possível colaborar.

Até o momento, o projeto obteve o apoio de mais de 150 colaboradores e reuniu cerca de R$ 12 mil em contribuições.

"Estamos empolgados com a adesão de tanta gente ao projeto 'Por Que Paris?'. Este financiamento colaborativo tem nos feito refletir muito positivamente sobre o futuro da nossa arte. Se atingirmos a meta, que vence dia 14 de julho, seremos o primeiro grupo de teatro do RN financiado em um valor tão alto. E já somos o projeto com maior número de colaboradores no estado. Isso aumenta nossa responsabilidade e o compromisso com o público do Grupo Carmin", comenta Henrique Fontes, encenador do Carmin.

A montagem de Por Que Paris? teve como ponto de partida uma pesquisa sobre a vida da escritora indochino-francesa Marguerite Duras e sobre suas obras, em especial o romance: “O Amante”. “A série de coincidências entre a vida de Marguerite e a nossa operou reviravoltas na criação de Por Que Paris?, e também nas nossas vidas, que tiveram que ser revisitadas”, comenta Quitéria Kelly, atriz do grupo.

O processo de redação do projeto vem sendo desenvolvido há mais de um ano e a montagem começou há cerca de quatro meses. A dramaturgia está sendo compartilhada entre o potiguar Pablo Capistrano e o britânico James Edward Bailey.

“Tem sido uma experiência intensa de reelaboração criativa. A peça faz uma costura da vida de Duras com a vida das atrizes, permeada por um desejo de partida para um lugar idealizado por muitos. Alguns fatos recentes, que nos surpreenderam, também entraram na obra”, explica Pablo Capistrano, dramaturgo do Grupo Carmin.

A exemplo de como foi montada “Jacy” (última peça do grupo, que faz uma narrativa documental a partir de vestígios da vida de uma senhora de 90 anos), em “Por Que Paris?” foi escolhida a linguagem do Teatro Documental para construção da peça, a diferença é que, desta vez, há uma intervenção maior do teatro dramático e lírico. 

“A peça é o que a gente faz dela, claro que não tem fórmula para se chegar ao resultado, o importante tem sido descobrir os laços mais fortes entre a nossa vida, a vida de marguerite e o público”, diz Henrique Fontes.

Audiovisual

Um elemento que já se torna linguagem do Grupo Carmin é o audiovisual. O material captado e projetado criam uma espécie de dramaturgia paralela, criada com recursos que primam pelo "feito ao vivo" e em diálogo com a cena.

"Para esta montagem, eu quis usar elementos diferente dos que usamos em "Jacy". Os princípios de realização ao vivo e de uma construção precária se mantém, mas trabalharemos com edição em tempo real e projeções em diferentes superfícies", explica Pedro Fiuza, video-maker do grupo.

Convidados

O processo envolve ainda outros profissionais convidados, como é o caso de Adelvane Néia, atriz do grupo Humatriz Teatro de Campinas; o dramaturgo inglês, James Edward Bailey; o especialista francês em Marguerite Duras, Laurent Carmerini; o dramaturgo e diretor carioca Diogo Liberano; a bailarina e coreógrafa Clarissa Rêgo; o músico e compositor Antônio de Pádua; o light designer Ronaldo Costa; o figurinista Ewerton Rangel e os estagiários Ana Luiza Silva, Robson Medeiros e Pedro João.

“É uma equipe grande e multidisciplinar. A reunião de pessoas tão diferentes para a  montagem de´Por Que Paris?´ renova minha certeza de que Teatro é uma arte que depende desta força colaborativa”, diz o produtor Daniel Torres.

Temporada de estreia

Com patrocínio do Projeto Circuito SESC das Artes Cênicas Potiguar 2014 e co-patrocínio do cemitério e crematório Morada da Paz, a temporada de estreia de Por Que Paris tem início no dia 23 de julho, às 20h, na Casa da Ribeira. O espetáculo terá outras duas apresentações no teatro da Casa, sempre às 20h, nos dias 25 e 26 de julho. No dia 30, a peça segue para o Teatro de Parnamirim. 

Os ingressos custam R$ 30 (inteira) e R$ 15 (meia) e reservas já podem ser realizadas na fanpage do grupo (www.facebook.com/grupocarmin).

Marque presença no evento pelo facebook: 
https://www.facebook.com/events/963278790359524/

Grupo Carmin apresenta Jacy na Casa da Ribeira

Em meio à montagem de “Por Que Paris?” e já arrumando as malas para viajar em agosto e apresentar em Brasília e Rio de Janeiro, o Grupo Carmin faz única apresentação de sua peça mais conhecida, "Jacy", neste sábado (13/06), às 20h, na Casa da Ribeira. 

Com um projeto de financiamento coletivo no site Catarse para a realização de "Por Que Paris?", o Grupo Carmin lançou uma ação promocional. Quem colaborar com qualquer cota do projeto no www.catarse.me/pt/pqparis durante esta semana vai concorrer ao sorteio de 3 pares de ingressos. Outra novidade é que, para quem colaborar na cota de "250,00+", além das recompensas propostas no projeto, ganha duas senhas para "Jacy".

Para a montagem de "Por Que Paris?", o grupo foi contemplado pelo edital SESC RN de Artes Cênicas. Como o edital viabiliza até R$ 30 mil e o projeto original da peça custa aproximadamente R$ 45 mil, o Grupo Carmin lançou um projeto de financiamento coletivo pelo Catarse para obter o restante (R$ 15 mil). Com esses recursos, será possível viabilizar cachês dos artistas, complemento de cenografia e outras despesas. 

Grupo Carmin retorna com “Jacy”

uando? Sábado, 13 de junho
Que horas? 20h
Onde? Casa da Ribeira (Rua Frei Miguelinho, 52, Ribeira) 
Quanto? R$ 30,00 (inteira); R$15,00 (meia)

Reservas: facebook.com/grupocarmin 
Marque presença no evento: facebook.com/events/393064464215553/